sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O que cabe nas palavras



Todo afastamento cabe na palavra distância e toda distância cabe na palavra saudade e toda saudade cabe na história da gente. Nem sempre consegui voltar aos meus escombros e reatar o fio daquela meada de tecer destinos que o vento levou quando se impôs sobre meus voos. E toda vez que meu pouso se deu em outras paragens, muito longe do ninho, essas palavras estiveram comigo. Mas nem toda saudade cabe na palavra tristeza e nem toda tristeza cabe na história da gente. Há sempre um resto de beleza guardado na memória. Um cheiro, um gosto, uma música, um verso que me devolve e me resgata.  E o meu coração se aquieta na luz do sol sobre o rio.


M.Cendón


foto: Constantine Manos (1962)